terça-feira, 29 de junho de 2010

Rafaella Carra e Topo Gigio


Duas personagens que, durante a minha infância, faziam parar o meu universo. Lembro-me que tive a felicidade de ser a única criança lá na terrinha, a ter um Topo Gigio. Causou tanta admiração que foi usado numa peça de teatro no infantário...

domingo, 27 de junho de 2010

Mas que calor......... Onde está a praia?

Cor-de-rosa

Nao tinha intencao de compra'-la, nem sabia que a revista Lux Woman vinha com uma clutch de verao. Pedi-lhe que trouxesse de Portugal, e ele nem reparou que a revista + 'clutch' era mais cara. Mas e' bem gira a rosa choque, e cheia de estilo para os 3 ou 4 euros que custa. Estou a usa'-la para meter marcadores, canetas, agrafos e clips etc - nao propriamente para a funcao que foi concebida - mas sempre que passo no corredor lancam olhares de aprovacao. As if it was something expensive :).

Suporto cada vez menos ouvir as demagogias do Paulo Portas...

E, na mesma linha, Francisco Louçã. Apetece vomitar com estes dois...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Um, dois, tres, de oliveira, quatro!

Ou ando no comeco duma grande crise existencial, ou e' do calor. Cada vez mais me sinto um joguete nas maos do selvagem sistema capitalista. Ou estamos nas maos dos bancos ou das empresas onde trabalhamos, que nos tratam como maquinas sem sentimentos ou motivacao. Deve ser do calor, ou da maturidade. Mas prefiro mesmo que seja do calor, porque quando descerro a meada normalmente saem vales de la...

Eu gosto e' do Verao...

Embora nao va' tirar grande partido desta maravilhosa estacao este ano, e' sem duvida a que prefiro. A das noites longas, idas 'a praia, cafes pela tarde fora, roupa leve, relaxar, Porto Santo, mar e areia...

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Bodum

Pensei ser um golpe de sorte. Era a unica maquina disponivel, entre as 7 ou 8, no ginasio e costumam ser concorridas. La' fui rapidamente ocupar o meu lugar, antes que alguem chegasse primeiro. Nao demorei mais do que 30 segundos a zarpar. Claro que estava disponivel, o gajo que 'malhava' ao lado tinha um cheiro a transpiracao que dava vontade de vomitar. Quem quiser que agarre, que eu vou exercitar para outro lado...Ninguem merece!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Tou que nem posso...

A partir de determinada altura, quando os olhos estão cansados, e já não podemos ler mais, o que nos vale são os erros, as respostas sem cabimento. São de chorar a rir. Três exemplos:

What is Urban Tourism?
Is tourism under the earth...
What is SPA tourism?
Is space tourism...
Which are the most popular crusing areas of the world?
Afghanistan, Pakistan, Germany...

E há melhores. Talvez partilhe mais tarde, se apetecer.

domingo, 20 de junho de 2010

Na cozinha

Experimentei fazer 'Pataniscas de bacalhau' pela primeira vez. Não me saí nada mal! Hummmm...

sábado, 19 de junho de 2010

A propósito da morte de José Saramago, e da sua crítica ao conformismo português, lembrei-me da minha ilha, do discurso do Padre António Vieira aos peixes e apeteceu-me fazer um discurso aos carneiros... Entricheirados, que não se rebelam por medo, que não têm espírito crítico porque pensam que irão perder o mundo. Um mundo que nada mais é que uma gota no meio do atlântico...

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Faleceu José Saramago...

Portugal está tão mais pobre. Paz à sua alma.

José Saramago, Nobel Prize-Winning Writer, Dies
By FERNANDA EBERSTADT
Published: June 18, 2010

José Saramago, the Portuguese writer who won the Nobel Prize in Literature in 1998 with novels that combine surrealist experimentation and a kind of sardonic peasant pragmatism, has died at his home in Lanzarote in the Canary Islands, his publisher said on Friday. He was 87.
The Unexpected Fantasist (August 26, 2007)
The publisher, Zeferino Coelho, told the Portuguese newspaper Publico that Mr. Saramago’s health had been deteriorating after a recent illness, but gave no other details, according to The Associated Press.
Mr. Saramago, a tall, commandingly austere man with a dry, schoolmasterly manner, gained international acclaim for novels like “Baltasar and Blimunda” and “Blindness.” (A film adaptation of “Blindness” by the Brazilian director Fernando Mireilles was released in 2008.)
Mr. Saramago was the first Portuguese-language writer to win the Nobel Prize, and more than two million copies of his books have been sold, Mr. Coelho said.
Mr. Saramago was known almost as much for his unfaltering Communism as for his fiction. In later years, Mr. Saramago used his status as a Nobel laureate to deliver lectures at international congresses around the world, accompanied by his wife, the Spanish journalist Pilar del Rio. He described globalization as the new totalitarianism and lamented contemporary democracy’s failure to stem the increasing powers of multinational corporations.
To many Americans, Mr. Saramago’s name is associated with a statement he made while touring the West Bank in 2002, when he compared Israel’s treatment of Palestinians to the Holocaust.
As a professional novelist, Mr. Saramago was a late bloomer. (A first novel, published when he was 23, was followed by 30 years of silence.) He became a full-time writer only in his late 50s, after working variously as a garage mechanic, a Welfare Agency bureaucrat, a printing production manager, a proofreader, a translator and a newspaper columnist.
In 1975, a counter-coup overthrew Portugal’s Communist-led revolution of the previous year, and Mr. Saramago was fired as deputy editor of the Lisbon newspaper Diário de Noticias. Overnight, along with other prominent leftists, he became virtually unemployable. “It was the best luck of my life,” he said in a 2007 interview. “It drove me to become a writer.”
His first major success was the rollicking love story “Baltasar and Blimunda.” Set in 18th-century Portugal, the novel portrays the misadventures of a trio of eccentrics threatened by the Inquisition: a heretic priest who constructs a flying machine and the two lovers who help him — a one-handed ex-soldier and a sorceress’s daughter who has X-ray vision.
The novel, published in an English translation in 1987, won Mr. Saramago a passionate international following. The critic Irving Howe, praising its union of “harsh realism” and “lyric fantasy,” described its author as “a voice of European skepticism, a connoisseur of ironies.”
“I think I hear in his prose echoes of Enlightenment sensibility, caustic and shrewd,” Mr. Howe wrote.
Asked in 2008 to assess Mr. Saramago’s achievement, the critic James Wood wrote: “Jose Saramago was both an avant-gardist and a traditionalist. His long blocks of unbroken prose, lacking conventional markers like paragraph breaks and quotation marks, could look forbidding and modernist; but his frequent habit of handing over the narration in his novels to a kind of ‘village chorus’ and what seem like peasant simplicities, allowed Saramago great flexibility.”
On the one hand, Mr. Wood wrote, it allowed the writer to “revel in sheer storytelling,” while on the other, to “undermine, ironically, the very ‘truths’ and simplicities his apparently unsophisticated narrators traded in.”
Paradox was Mr. Saramago’s stock in trade. A militant atheist who maintained that human history would have been a lot more peaceful if it weren’t for religion, his novels are nonetheless preoccupied with the question of God.
His novel “The Gospel According to Jesus Christ,” in which Jesus on the cross apologizes to mankind for God’s sins, was deemed blasphemous by some believers and deeply religious by others. When the Portuguese government, under pressure from the Catholic Church, blocked its entry for a European Literary Prize in 1992, Mr. Saramago chose to go into exile in the Canary Islands, a Spanish possession.

In New York Times

Caneco pá!

Desisto. Já vi que não tenho grande sorte nos dotes de 'Maria casamenteira'. Sei que ele se sente sozinho, é bom moço e quer uma relação estável. Como já a conhecia há algum tempo, é amorosa, bonita e boa pessoa, vêm de culturas próximas e ela até sabe bastante sobre o país dele, pensei que podia pegar. Ambos sozinhos nesta cidade grande, com idades próximas, deixa-me dar um empurrãozinho... E assim comecei a planear o encontro. Um jantar com amigos onde iriam ter oportunidade para se conhecer melhor. Ela gostou da ideia, ele gostou da ideia. Ela não sabia dos meus segundos planos. Difícil de conciliar um dia que dê jeito a todos. Quando pensava que era desta, eis que ela põe no facebook que está numa nova relação, com outra menina... Caiu-me tudo. Como é que não percebi, e agora como é que lhe digo?... Bom, foi mais fácil do que pensava. O gajo não parava de rir, quando lhe fiz a revelação, e eu cada vez mais chateada... Ris porquê? "Porque aprendi a não esperar nada, e tudo o que vier é lucro", disse ele... Ainda assim, acha que deveríamos jantar todos, pelo serão, que pode ser divertido. Gabo-lhe o optimismo. Como andei tanto tempo a armadilhar a situação, fui a que saiu desiludida.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Hoje estou num dia Djavan... (seja la' o que isso for)

Por acaso ate' tenho, qual cinderela.

A missao era comprar umas sandalias para o vestido, que vou levar a um casamento em Agosto. Tinha decidido que as sandalias seriam 'gold', visto que o vestido e' vermelho. Simples e elegantes, toca de ir 'a procura... E foi muito mais facil de encontrar do que esperava. O problema foi calca-las, nao estava a conseguir (tenho sempre este problema). O funcionario observava, ao longe, e foi-se aproximando... Posso ajudar? Perguntou... Sim, se nao se importa. Ele ajoelhou-se e calcou-me, com todo o cuidado do mundo, qual princesa. As sandalias convenceram-me e comprei. No fim, quando ia a sair, ele disse "mas veja la', eu nao vou estar na sua casa para ajuda-la". Nao se preocupe, sou sortuda o suficiente para ter quem me calce, em casa...LOL

quarta-feira, 16 de junho de 2010

500 anos depois...

Encontro sempre, ao corrigir exames de varias instituicoes, nomes de alunos da India e do Sri Lanka que ainda revelam o nosso passado de descobertas. De e para o mundo. Hoje, por exemplo, o aluno chama-se J. Albuquerque de Souza Correa. E', como disse, indiano ou do Sri Lanka. 500 anos depois ainda estamos la'. Impressionante!!!

Such junk!

A quantidade de e-mails que recebo todos os dias, a pedir a minha morada e dados bancarios para transferirem montantes exorbitantes e' imensuravel. Neste momento, a escala de velhas a morrer no hospital, e homens de negocio que ouviram falar de mim e querem que faca 'business' com eles, e' maior que os dias do ano. Se aceitasse aquele dinheirinho todo, ficava mais rica que o Bill Gates!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Victoria e Daniel

Quem e' que nao gosta dum conto de fadas? Todas nos! Queremos acreditar que ha' um principe, com cavalo branco ou nao, que nos vai amar e fazer sentir uma verdadeira princesa ou rainha. Num mundo em que so' se fala de crise, pobreza, desemprego, aquecimento global etc etc, uma historia de princesas e casamento e' uma anestesia geral, desta vez para a Suecia. Ate' me parece uma familia real com uma dose de realidade 'a flor da pele, ou das veias. A princesa Victoria - futura rainha - vai casar este sabado com Daniel Westling, o seu ex-preparador fisico, e que vai continuar a ter essa funcao com certeza. Victoria parece-me uma princesa simpatica, fiquei com essa impressao quando esteve na Madeira, assim como a sua mae, a Rainha Silvia, que fala fluentemente portugues. E' bom ver que as familias reais se misturam, e que o coracao de uma princesa pode ser 'apanhado' por um comum mortal, da classe media. O que interessa e' que a ame, a trate bem e sejam felizes. Essa e' a maior bencao e riqueza. Mas claro que a tradicao bafienta tinha de aparecer, e entao foi preciso dizer que houve um estudo sobre a familia de Daniel Westling, ate ha' 200 anos, que prova que tem ascendencia aristocrata sueca e finlandesa. Este tipo de informacao e analise era dispensavel, acho eu. Que sejam felizes!

domingo, 13 de junho de 2010

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Parabens Portugal!

Hoje faz anos a nacao mais antiga da Europa.

Blue Travel

Com o passar dos anos, vou perdendo o fio à meada sobre as novas revistas e as que desaparecem das bancas em Portugal. Pedi a um amigo para me trazer o último número desta revista, visto que ia a Portugal no fim-de-semana, e ele não encontrou em lado nenhum. Sei que o mercado português é pequeno para tanta revista de viagens que surgiu nos últimos anos, mas a Blue Travel era/é de uma qualidade exemplar, tanto a nível de escrita como de imagens. Se souberem se ainda se vende digam, please!!!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

From Russia with love...

A biblioteca da minha zona dá-me um verdadeiro sentido de comunidade. As pessoas são simpáticas, o edifício é antigo mas acolhedor e, apesar de ir lá poucas vezes, tenho sempre a sensação que é um espaço meu, com livros, dvds e revistas que me deliciam. O meu hobby, nas raras vezes que lá vou, é me perder na secção de história e biografias. Ando há imenso tempo interessada nestas áreas. Aliás, pensando bem, ando a vida toda. Ainda me lembro de ter lido, aos 16 anos, a biografia do 'general sem medo' (Humberto Delgado) e do quão fascinada fiquei. Andavam as moças da minha idade na caça aos namorados, e nas matinés da disco, e eu era quase a inadaptada, a rapariga dos óculos grossos. A diferenca é que me estava a marimbar, e não usava óculos. Ultimamente as idas à biblioteca tem sido dolorosas. Ando sempre à procura de livros e biografias que sejam leves, logo acabam depressa. É uma frustração mas nao dá para trazer os calhamaços porque pesa muito na mala, e eu sorvo livros às "colheradas" no autocarro, nas viagens de e para o trabalho. Desta vez, no último sábado, consegui trazer três livrinhos sobre a Rússia. Quero ler mais sobre a história do país, para poder ter mais pontos de debate e união com os russos. Ultimamente tenho tido muitas fricções com russos, e acho sempre que uma boa maneira de evitar confrontos é saber mais sobre a cultura e história dos países. Para além do mais, a Rússia tem uma história tão trágica quanto fascinante. A frustração é escolher o livro pelo tamanho, logo eu que nunca me assusto com o que tenho de ler. Mas tem mesmo de ser, senão qualquer dia fico com problemas na coluna.

terça-feira, 8 de junho de 2010

O dever da verdade

O fiscalista Medina Carreira é conhecido em Portugal por ser um grande conhecedor da situação financeira, sustentada pela sua formação e larga experiência profissional, mas também por nas intervenções televisivas agitar consciências, criticar com veemência, sem 'papas na língua' e com a noção de que pode dizer o que sabe porque nada tem a perder ou temer. Como diz e bem, não trabalha nem precisa do estado.
Acabei recentemente este livro que tem o condão de explicar a situação do país, de como estamos e para onde caminhamos, de uma forma fundamentada, clara e realista. Ao contrário das 'performances' televisivas, em que a intenção é mesmo agitar as hostes, Medina Carreira adopta nesta publicação uma postura mais terra à terra, como era de esperar num documento escrito, numa análise por muitos apelidada de catastrófica. É,contudo, uma análise real e toda fundamentada com estatísticas. Confesso que me custou 'engolir'. A determinada altura chegamos mesmo a ficar pessimistas e sem ver alternativa, mas seria importante que este pequeno/grande livro fosse visto como um ponto de partida. Sabendo das nossas fragilidades, melhor poderemos definir uma estratégia séria e realista para andar para a frente. Recomendo!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Roupas de bebe'

Agora que anda toda a gente a ter bebes, e rapazes, cheguei a uma conclusao (que provavelmente muita gente ja' se tinha apercebido) : e' muito mais facil comprar roupa para menina do que para meninos. Uma pessoa convence-se muito mais rapidamente porque a roupa de menina e' muito mais gira. Ha', portanto, uma lacuna no mercado no que toca a roupa de rapaz. Va', senhores designers e estilistas, toca a trabalhar para colocar a roupa dos principes ao menos proximo do nivel das roupinhas das princesas.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Mentalidade carunchosa

Um concurso para guardas do parque natural da Madeira tem como requisito que os candidatos tenham menos de 28 anos. O governo que deveria dar o exemplo, e nao discriminar, e' o primeiro a faze-lo. Uma pessoa com 30 anos, ou com 42 anos, nao pode ser guarda do parque natural? Oh raio de mentalidade que depois dos 30 esta' tudo velho e podre, e pronto a ir para o caixao...

Ainda o SATC2

Para alem do filme ter sido muito fraco, o que menos gostei mesmo no SATC2 foi de ver a relacao da Carrie e do Big apos dois anos de casamento. Tao aborrecida, tao sem objectivos, sem sal e sobretudo sem salero nenhum. Cruz credo!

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Este é o 'post' número 500 :)



E não fosse o carinho e os comentários, e-mails e referências que recebo desse lado talvez já tivesse desistido. Não escrevo para atrair leitores - mas de facto o número de visitas e links não pára de crescer - faço porque gosto de comunicar e expressar ideias. Mas claro que não nego que o feed-back que me dão - desde que com modos - são um incentivo para não desistir. Estão todos convidados para a festa. Obrigada pela atenção e visitas!

Shhhhhhhhtttt...

Tinha estranhado o silencio bloguista em relacao ao 'SATC2'. Afinal ainda nao estreou em Portugal. E' nestas alturas que nao so' me lembro da nossa 'periferia' como tenho a certeza que vivo no centro do Mundo...

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Nova versão do Hino

Heróis do mal
Pobre Povo
Nação doente
E mortal
Expulsai os tubarões
Exploradores de Portugal
Entre as burlas
Sem vergonha
Ó Pátria
Cala-lhe a voz
Dessa corja tão atroz
Que há-de levar-te à miséria
P’ra rua,  p’ra rua
Quem te está a aniquilar
P’ra rua, p’ra rua
Os que só estão a chular
Contra os burlões
Lutar, lutar!

terça-feira, 1 de junho de 2010

To be or not to be...

A minha amiga L. - que é eslovaca - trabalha numa empresa para a qual colaboro. Antes trabalhava na minha empresa mas recebeu uma proposta melhor e lá foi. De vez em quando, quando tenho de fazer consultoria para eles, encontramo-nos e pomos a conversa em dia. Como está tudo, novidades do trabalho etc. Há cerca de 3 meses, a última vez que lá estive, estávamos a falar da importância de ter um bom ambiente de trabalho. Ela sente saudades da 'nossa' empresa porque o ambiente era mais relaxado e internacional, trabalhávamos mas também havia diversão. «Agora é tudo muito formal, há coisas que nos saíam naturalmente e que agora não posso fazer. Do género, perguntar a nacionalidade das pessoas pode parecer racista», disse ela. Basicamente trabalha só com britânicos e estes gostam de manter uma certa formalidade e distância. Tirando isso está melhor. O ordenado é mais alto e está a aprender bastante. Depois elaborou dizendo «eu não percebo esta gente, nem esta formalidade. De segunda à sexta são distantes, tudo estritamente profissional. À sexta vão para o pub, enchem a cara, dormem uns com os outros e na segunda-feira estão de volta ao trabalho, e à formalidade»... Raios parta...LOL